CONSULTA DE MEDICINA PREVENTIVA

No Centro de Saúde Amipet encontra um ambiente diferenciado para aqueles que são os animais de companhia atualmente mais representativos, o cão e o gato. Disponibilizamos-lhes um consultório Cat Friendly e outro Dog Friendly, e temos ainda um terceiro consultório Pet Friendly para eventuais separações imediatas na triagem de receção.

A consulta de medicina preventiva aborda os seus principais pilares: a nutrição, a desparasitação, a vacinação e/ou o check up de saúde regular, a saúde oral, os cuidados com a pele e pelagem, a cirurgia preventiva/eletiva, e o comportamento animal. Esta consulta pode ser realizada em qualquer fase de vida do seu animal de companhia, desde que ele nasce, até ao seu período sénior.

Na Amipet ajudamo-lo desde que o seu companheiro chega a sua casa. Informe-se connosco acerca dos cuidados gerais e específicos que terá de ter com ele. Não esqueça, em relação às espécies exóticas , que são animais especiais, e exigem cuidados diferenciados de acordo com a espécie. Disponibilizamos toda a informação que precisará de saber para que a sua mascote esteja consigo bons e longos anos.

A identificação eletrónica é também um procedimento simples mas de muita importância que poderá solicitar nas nossas instalações. A simples aplicação de um microchip pode ajudar a levar de novo até si o seu animal de estimação caso ele esteja desaparecido.

Na consulta de vacinação ou de check up de saúde será sempre informado acerca dos cuidados preventivos a ter com o seu companheiro. A consulta juvenil é aquela que segue o crescimento do animal de estimação e que verifica diversos parâmetros da sua saúde para que tenhamos  a certeza que ele está a evoluir bem.

A consulta de geriatria é aquela que se aplica aos nossos companheiros de longa data apostando na prevenção e na deteção precoce da doença. O paciente geriátrico merece uma grande atenção, qualquer sinal de alerta que ele lhe dê deve ser devidamente interpretado e nunca descurado.

A Amipet tem ainda a especial valência da consulta de comportamento onde disponibiliza técnicos qualificados para o diagnóstico e tratamento de patologias comportamentais.

NUTRIÇÃO

A nutrição tem um papel fundamental na saúde das nossas mascotes.

É primordial fornecer todos os nutrientes essenciais à sua saúde, permitindo assim uma melhor qualidade de vida. Através de uma dieta equilibrada e adequada a todas as fases da vida é possível prevenir e auxiliar o tratamento de diversas doenças.

Os principais problemas com direta origem nutricional que atingem os animais de companhia são o excesso de peso e a obesidade (considerada mesmo uma doença). O sedentarismo, a par com a má nutrição, agrava o quadro anterior. Assim, também o estilo de vida e a envolvência emocional do proprietário podem afetar, ainda que de forma indireta, o desenvolvimento daquela patologia.

A obesidade e o sobrepeso podem desencadear diversos problemas de saúde e exacerbar aqueles já existentes.

Evite partilhar o seu alimento com a sua mascote pois não tem qualidade nutricional para ele e pode levar inclusive a carências de foro alimentar.

A sua mascote é única e como tal merece ter um plano nutricional dirigido às suas características, necessidades e atual estado de saúde.

DESPARASITAÇÃO

A desparasitação é um dos cuidados básicos de saúde a ter com os animais de companhia.  Ela é de elevada importância para direta manutenção da saúde da sua mascote. Também se reveste de especial cuidado devido ao contacto próximo que muitas vezes existe  entre animais de companhia e pessoas. Crianças, idosos e doentes imunodeprimidos são grupos especialmente suscetíveis, pelo que deve existir uma atenção redobrada no cumprimento de um protocolo de desparasitação adequado.

O plano de desparasitação deve ser estipulado de acordo com a espécie, idade ou fase de vida, estilo de vida (indoor, outdoor, coabitantes…), estado geral e carga parasitária.

Atualmente estão disponíveis no mercado diversos produtos seguros para controlo, prevenção ou erradicação, tanto dos parasitas internos como externos.

Saiba Mais:

[ultimate_modal icon_type=”selector” modal_title=”Parasitas internos e a Desparasitação interna” modal_contain=”ult-html” modal_on=”text” onload_delay=”2″ btn_size=”md” btn_bg_color=”#333333″ btn_txt_color=”#ffffff” modal_on_align=”left” txt_color=”#32c1bb” modal_size=”medium” modal_style=”overlay-fade” overlay_bg_color=”#333333″ overlay_bg_opacity=”75″ header_text_color=”#333333″ modal_border_width=”2″ modal_border_color=”#333333″ modal_border_radius=”0″ btn_text=”Parasitas internos e a Desparasitação interna” icon=”Defaults-bug” read_text=”> Parasitas internos e a Desparasitação interna”]Os parasitas internos (endoparasitas) afectam maioritariamente o sistema digestivo, mas também se disseminam por outros órgãos. Os mais comuns no cão e no gato são os nemátodes (comummente designados por lombrigas) e os céstodes (vulgarmente designados por ténias) que podem ser transmitidos através da ingestão de ovos, encontrados na água ou comida…;  por intermédio de hospedeiros, como as pulgas, ou por transmissão da mãe aos filhotes.

Os principais sinais clínicos associados são: vómito, diarreia, perda de apetite e condição corporal.

Os parasitas internos interferem com a absorção do alimento, pelo que é fundamental manter o animal livre destes, em especial durante o crescimento e desenvolvimento. Os animais jovens, por serem ainda mais suscetíveis que os adultos, devem ser desparasitados mais frequentemente.

Regra geral, a primeira desparasitação em gatinhos ou cachorros, está aconselhada às 2 semanas de idade. Até aos 3 meses é recomendada a desparasitação a cada 2 semanas, e entre os 3 e os 6 meses de idade mensalmente. A partir dos 6 meses de idade pode diminuir-se a frequência de administrações, devendo contudo ser realizada no mínimo 2 vezes por ano. Em animais com acesso regular ao exterior é aconselhada a desparasitação interna a cada 3 meses.

Em casas com mais que  uma mascote é recomendada a desparasitação simultânea.

Deve prestar-se particular importância à adequada desparasitação das fêmeas gestantes, sendo que a prevenção deve ser feita antes e após o parto. Nem todos os desparasitantes podem ser usados, existindo produtos adequados à gestação e lactação.

> Saiba Mais

Atualmente existem diversos produtos com efeito desparasitante de largo espectro, sendo que estão disponíveis apresentações tão distintas como comprimidos ou pastas para administração oral, ou spot-on para aplicação na pele da nuca ou pescoço. Existem no mercado cada vez mais produtos apetecíveis/palatáveis de forma a facilitar a administração oral.[/ultimate_modal][ultimate_modal icon_type=”selector” modal_title=”Parasitas externos e Desparasitação externa” modal_contain=”ult-html” modal_on=”text” onload_delay=”2″ btn_size=”md” btn_bg_color=”#333333″ btn_txt_color=”#ffffff” modal_on_align=”left” txt_color=”#32c1bb” modal_size=”medium” modal_style=”overlay-fade” overlay_bg_color=”#333333″ overlay_bg_opacity=”75″ header_text_color=”#333333″ modal_border_width=”2″ modal_border_color=”#333333″ modal_border_radius=”0″ btn_text=”Parasitas externos e Desparasitação externa” icon=”Defaults-bug” read_text=”> Parasitas externos e Desparasitação externa”]Os nossos animais de companhia podem ser afetados por vários parasitas externos, nomeadamente pulgas, carraças, piolhos, ácaros, moscas e “mosquitos”.

A desparasitação externa assume extrema importância, pois os ectoparasitas podem ser responsáveis também pela transmissão de várias doenças, nomeadamente febre da carraça, sarna, pulicose, leishmaniose, dirofilariose, dermatite alérgica à picada de pulga (DAPP).

A desparasitação externa rigorosa é fundamental em animais com acesso ao exterior, sendo que em animais de interior deve proceder-se também  à aplicação de desparasitante externo com regularidade, pois os próprios tutores podem servir como fonte de infestação após vinda do exterior.

As pulgas podem tornar-se num problema grave devido à sua rápida multiplicação.É por isso importante tratar todos os animais coabitantes e o ambiente (tapetes, camas, alcatifas, mantas…). Existem produtos que quebram o ciclo de vida da pulga, ao eliminarem os ovos, formas imaturas e adultas.

Estão disponíveis atualmente diversos produtos específicos, nomeadamente em spray, pipetas spot on, coleiras e comprimidos.

A escolha do produto mais adequado deve ser feita consoante a carga parasitária, facilidade de aplicação do produto, estilo de vida e sensibilidade do próprio animal (por ex. há animais que não toleram coleiras e/ou que desenvolvem reações alérgicas a algum produto específico).

Existem atualmente produtos para controlo de pulgas que se baseiam na bioativação, ou seja, o produto só se torna ativo e atua dentro da pulga, sendo mais segura a sua aplicação em animais sensíveis e casas com crianças.

Em animais que toleram mal a aplicação de produtos por via tópica existem, em alternativa, produtos para administração oral e que têm ação contra pulgas e carraças, sendo que alguns deles mantêm ação durante vários meses.

Caso o animal viaje, o protocolo de desparasitação deve ser revisto (avaliar se existe alguma doença parasitária endémica na região de destino) devendo ser efetuada a prevenção mais adequada.[/ultimate_modal]

VACINAÇÃO / CHECK-UP Saúde

A vacinação dos nossos amigos de 4 patas é importante para a prevenção de doenças graves e potencialmente mortais, assim como a transmissão de doenças aos humanos (zoonoses).

A vacinação estimula o sistema imunitário, criando anticorpos e ativando células que irão combater os agentes de doenças. Na atualidade, dispomos de vacinas muito seguras, efetivas e que conferem elevada proteção.

A consulta vacinal (check up de saúde) inclui exame clínico e diversas recomendações sobre nutrição, comportamento/educação e treino, cuidados de higiene corporal, saúde oral,  protocolo de desparasitação adequado, e cirurgia preventiva/eletiva pelo que se torna de extrema importância.

A vacina deve ser sempre precedida de uma consulta pois não se trata apenas de uma injeção, mas sim de todo um check up para determinar o estado de saúde da mascote.

O protocolo vacinal deve ser adaptado de acordo com a espécie, condições individuais, idade e estilo de vida. Ao serem os animais de companhia por excelência recomendamos que saiba mais sobre:

[ultimate_modal icon_type=”none” modal_title=”Vacinação Canina” modal_contain=”ult-html” modal_on=”text” onload_delay=”2″ btn_size=”md” btn_bg_color=”#333333″ btn_txt_color=”#ffffff” modal_on_align=”left” btn_text=”Vacinação Canina ” txt_color=”#32c1bb” modal_size=”small” modal_style=”overlay-fade” overlay_bg_color=”#333333″ overlay_bg_opacity=”75″ header_text_color=”#333333″ modal_border_width=”2″ modal_border_color=”#333333″ modal_border_radius=”0″ read_text=”> Vacinação Canina”]São várias as doenças infecciosas que podem afetar estas mascotes:

– Parvovirose

– Esgana (ou Cinomose)

– Hepatite ou Adenovirose

– Leptospirose (zoonose)

– Raiva (zoonose)

– Leishmaniose (zoonose)

– Tosse do Canil (por Parainfluenza tipo 2 e Brodettela Bronchiseptica)

Existem vacinas múltiplas destinadas à imunização conjunta contra algumas das doenças acima referidas (nomeadamente parvovirose, esgana, hepatite, leptospirose e tosse do canil por Parainfluenza).

A primovacinação, regra geral, deve ter início entre a 6ª/8ª semana de vida, após correta desparasitação,, sendo necessário proceder a reforço vacinal posteriormente e de acordo com o protocolo mais adequado. Em situações específicas (por exemplo, animais com baixo título de anticorpos maternais ou expostos a elevado risco e stress) pode ser necessário antecipar o início do protocolo vacinal, recorrendo a vacinas adaptadas pelo que em cada caso é imperativo o aconselhamento com o médico veterinário assistente.

A imunização contra a raiva poderá ter início aos 3 meses de idade, e trata-se de uma obrigatoriedade legal, de acordo com a nossa atual legislação.

A proteção vacinal contra a Leishmaniose deverá ter início a partir dos 6 meses de idade e, tendo em conta a elevada prevalência em toda a nossa área geográfica, está a ser cada vez mais aconselhada e incentivada.

Estão ainda disponíveis vacinas que conferem proteção contra agentes de doenças mais específicas, nomeadamente herpesvirose, ou piroplasmose por Babesia canis. Em condições particulares está aconselhado o recurso a estas vacinas, sendo fundamental avaliar a sua necessidade por aconselhamento com o médico veterinário assistente.

Para manutenção dos níveis de proteção devem ser realizadas revacinações anuais, de acordo com protocolo estabelecido, e que tem em consideração tanto a proteção imunológica como a legislação vigente.

Saiba Mais
> 2011 AAHA Canine Vaccination Guidelines
> CAPC General Guidelines[/ultimate_modal][ultimate_modal icon_type=”none” modal_title=”Vacinação Felina” modal_contain=”ult-html” modal_on=”text” onload_delay=”2″ btn_size=”md” btn_bg_color=”#333333″ btn_txt_color=”#ffffff” modal_on_align=”left” btn_text=”Vacinação Felina ” txt_color=”#32c1bb” modal_size=”small” modal_style=”overlay-cornerbottomleft” overlay_bg_color=”#333333″ overlay_bg_opacity=”75″ header_text_color=”#333333″ modal_border_width=”2″ modal_border_color=”#333333″ modal_border_radius=”0″ read_text=”> Vacinação Felina”]São várias as doenças infecciosas que podem afetar estas mascotes: – Panleucopenia felina

– Rinotraqueíte vírica felina

– Calicivirose felina

– Clamidiose (Clamydophila felis)

– Leucemia felina (FeLV)

– Raiva

A primovacinação deve ter início a partir das 8 semanas de idade após correta desparasitação, exigindo um reforço vacinal entre 3 a 4 semanas depois.

Existem vacinas múltiplas destinadas a imunização conjunta contra várias das doenças referidas, nomeadamente panleucopenia, rinotraqueíte vírica, calicivirose e clamidiose, podendo ser ainda associada a proteção contra leucemia felina de acordo com critérios associados ao estilo de vida e outras considerações.

Está indicada a revacinação anual para eficaz manutenção dos níveis de proteção.

> Saiba Mais[/ultimate_modal]

Não tão frequentes como os anteriores mas a ganhar adeptos saiba mais ainda sobre a:

[ultimate_modal icon_type=”none” modal_title=”Vacinação em Leporídeos” modal_contain=”ult-html” modal_on=”text” onload_delay=”2″ btn_size=”md” btn_bg_color=”#333333″ btn_txt_color=”#ffffff” modal_on_align=”left” btn_text=”Vacinação Felina ” txt_color=”#32c1bb” modal_size=”small” modal_style=”overlay-cornerbottomleft” overlay_bg_color=”#333333″ overlay_bg_opacity=”75″ header_text_color=”#333333″ modal_border_width=”2″ modal_border_color=”#333333″ modal_border_radius=”0″ read_text=”> Vacinação em Leporídeos”]Existem 2 doenças que podem afetar mortalmente os nossos coelhos nomeadamente a mixomatose e a doença hemorrágica viral.

Está disponível atualmente uma vacina destinada a imunização ativa conjunta das duas doenças, sendo que reduz a mortalidade e sinais clínicos associados à mixomatose e previne a mortalidade associada à doença hemorrágica viral.

A vacinação pode ser efetuada a partir das 5 semanas de idade, sendo necessário um reforço anual para manter os níveis de proteção.[/ultimate_modal]

SAÚDE ORAL / ODONTOLOGIA

Na Amipet dedicamos um bloco do Centro de Saúde aos serviços de Odontologia. Aqui encontra equipamentos avançados que lhe asseguram rigorosos cuidados promovendo a saúde oral.

Os cuidados orais são fundamentais para uma boa saúde e qualidade de vida.

A avaliação da saúde oral deve ser iniciada desde muito cedo, quando ainda cachorrinho ou gatinho, de forma a detetar sinais precoces de doença oral ou falha no desenvolvimento normal.

Os dentes de leite da sua mascote iniciam o seu desenvolvimento após o nascimento e surgem visíveis na segunda semana de vida, sendo progressivamente substituídos pelos dentes definitivos a partir dos 4 meses.

Embora os dentes de leite da sua mascote sejam rapidamente substituídos pelos definitivos, a sua escovagem frequente é importante pois permite que a sua mascote se habitue desde cedo a esse procedimento, assim como ao uso de dentífricos apropriados para a espécie, tornando o processo mais fácil de realizar após o aparecimento dos dentes definitivos.

[ultimate_modal icon_type=”none” modal_title=”Conselhos de escovagem:” modal_contain=”ult-html” modal_on=”text” onload_delay=”2″ btn_size=”sm” btn_bg_color=”#333333″ btn_txt_color=”#ffffff” modal_on_align=”left” read_text=”> Conselhos de escovagem” txt_color=”#32c1bb” modal_size=”small” modal_style=”overlay-cornerbottomleft” overlay_bg_color=”#333333″ overlay_bg_opacity=”80″ header_text_color=”#333333″ modal_border_width=”2″ modal_border_color=”#333333″ modal_border_radius=”0″]

  1. Coloque-se ao lado da mascote e não à sua frente;
  2. Posicione-o o mais confortavelmente possível, por exemplo no seu colo enquanto o afaga.
  3. Escolha uma escova suave e de tamanho adequado à mandibula e maxila da sua mascote.
  4. Utilize um dentífrico formulado especialmente para animais de companhia, com sabor favorável ao paladar da sua mascote.
  5. Introduza uma pequena amostra de dentífrico à sua mascote, inicialmente para se adaptar ao sabor.
  6. Espalhe o dentífrico e pressione-o para o interior das cerdas da escova para evitar que seja retirado ao lamber;
  7. Comece a escovagem gentilmente de modo progressivo, escovando alguns dentes de cada vez – de preferência os molares e pré-molares, depois aumente o número de dentes escovados em cada movimento;
  8. Inicialmente pode ser difícil alcançar o interior da boca do animal, neste caso, escove apenas as faces externas dos dentes, especialmente ao longo das gengivas.
  9. Se o animal for cooperante, pode começar logo a escovar a face interna dos dentes.
  10. Após isto, não se esqueça de recompensar a sua mascote com algo que ele goste muito: suplemento nutricional, brinquedo ou passeio, por exemplo.

[/ultimate_modal]

Para além de uma correta prevenção realizada em casa, é essencial proceder a destartarizações sempre que esteja presente tártaro, deste modo tratamos e prevenimos a evolução da doença periodontal.

[ultimate_modal icon_type=”none” modal_title=”Prevenção” modal_contain=”ult-html” modal_on=”text” onload_delay=”2″ btn_size=”md” btn_bg_color=”#333333″ btn_txt_color=”#ffffff” modal_on_align=”left” btn_text=”Destartarização” txt_color=”#32c1bb” modal_size=”small” modal_style=”overlay-fade” overlay_bg_color=”#333333″ overlay_bg_opacity=”75″ header_text_color=”#333333″ modal_border_width=”2″ modal_border_color=”#333333″ modal_border_radius=”0″ read_text=”> Prevenção”]Para além da correta escovagem dentária existem também sprays, géis bucais e snacks que promovem a saúde oral. Quando não consegue escovar os dentes da sua mascote tem ainda a possibilidade de recorrer a alimento seco adaptado cuja ação mecânica durante a mastigação promove a libertação da placa dentária.[/ultimate_modal][ultimate_modal icon_type=”none” modal_title=”Destartarização” modal_contain=”ult-html” modal_on=”text” onload_delay=”2″ btn_size=”md” btn_bg_color=”#333333″ btn_txt_color=”#ffffff” modal_on_align=”left” btn_text=”Destartarização” txt_color=”#32c1bb” modal_size=”small” modal_style=”overlay-fade” overlay_bg_color=”#333333″ overlay_bg_opacity=”75″ header_text_color=”#333333″ modal_border_width=”2″ modal_border_color=”#333333″ modal_border_radius=”0″ read_text=”> Destartarização”]Este procedimento exige uma anestesia geral, para evitar qualquer sensação dolorosa e stress associados à utilização do aparelho de ultrassons. Todos os dentes são destartarizados, um a um, tanto na face interna como na externa. Adicionalmente pode ser necessário proceder à realização de análises sanguíneas prévias no sentido de perceber o estado de saúde da mascote.

Para finalizar a operação, normalmente procede-se ao polimento dos dentes que permite alisar todas as irregularidades existentes na sua superfície dificultando assim uma nova implantação bacteriana.

É neste procedimento que se deve realizar a remoção de qualquer dente com raiz exposta e/ou mobilidade.

> Saiba Mais[/ultimate_modal][ultimate_modal icon_type=”none” modal_title=”Doença periodontal” modal_contain=”ult-html” modal_on=”text” onload_delay=”2″ btn_size=”md” btn_bg_color=”#333333″ btn_txt_color=”#ffffff” modal_on_align=”left” btn_text=”Destartarização” txt_color=”#32c1bb” modal_size=”small” modal_style=”overlay-fade” overlay_bg_color=”#333333″ overlay_bg_opacity=”75″ header_text_color=”#333333″ modal_border_width=”2″ modal_border_color=”#333333″ modal_border_radius=”0″ read_text=”> Doença periodontal”]FASE 1 – PLACA DENTÁRIA (NÃO VISÍVEL)

Os microrganismos naturalmente presentes na cavidade oral misturam-se com a saliva e com os detritos alimentares para formar à superfície do dente um biofilme: a placa dentária. Esta placa necessita ser corada para ser evidenciada pois é invisível à vista desarmada.

FASE 2 – TÁRTARO (VISÍVEL)

Após a escovagem dos dentes, a placa dentária reaparece ao fim de 6 horas. Se esta placa não for removida – por escovagem diária – é mineralizada pelo cálcio existente na saliva, o que leva à formação de tártaro, um depósito duro, acastanhado e áspero observado na superfície do dente, que permite facilmente a aderência e deposição de bactérias.

O tártaro pode ser classificado em 2 tipos: supra-gengival e sub-gengival;

– O primeiro é aquele que está visível, provocando principalmente problemas de ordem estética.

– O segundo, tártaro sub-gengival, não se vê, mas é o que contribui para as doenças da gengiva. Juntamente com as bactérias da placa dentária, pode provocar a destruição do ligamento que une o dente ao osso alveolar.

O tártaro apenas é removido através de uma destartarização realizada pelo seu Médico Veterinário.

O crescimento bacteriano causa a inflamação das gengivas – Gengivite -, que ficam tumefactas e vermelhas, facilmente sangrativas. A gengivite é responsável pela diminuição do apetite e pela dor durante a mastigação. O mau hálito (halitose) resulta da libertação, por parte das bactérias, de compostos sulfurados voláteis.

Caso não haja tratamento, estes sinais podem evoluir para retração gengival, com exposição das raízes dentárias.

FASE 3 – MOBILIDADE DENTÁRIA

Numa fase mais avançada, as bactéria alojam-se junto à raiz do dente originando processos inflamatórios que levam a destruição dp ligamento endodôntico e osteólise. Nesta fase, o risco de formação de abcessos é considerável podendo mesmo originar fratura da mandíbula e/ou doenças sistémicas graves que afetam outros órgãos tais como coração, pulmões, rins e fígado.

Saiba mais em:

Evaluation of the risk of endocarditis and other cardiovascular events on the basis of the severity of periodontal disease in dogs

Association of Periodontal Disease and Histologic Lesions in Multiple Organs from 45 Dogs

Periodontal Disease

Ao consultar o seu médico veterinário será discutido qual o melhor plano de saúde oral para a sua mascote.

> Saiba Mais

Lembre-se que a deteção atempada, estando atento a sinais de alerta, e uma correta prevenção de doença oral, passa por visitas regulares ao seu médico veterinário com avaliação da saúde oral a cada 6 meses, destartarizações/ limpezas dentárias regulares e cuidados diários em casa.

— Sinais de alerta a que deve estar atento

> Dentes amarelos

> Acumulação de tártaro

> Bordo gengival vermelho

> Mau hálito

> Hemorragia das gengivas

> Dificuldade em amastigar

> Salivação excessiva

> Perda de dentes

Perda de apetite e peso[/ultimate_modal]

GROOMING / CUIDADOS DA PELE E PELAGEM

Porque a saúde da pele e faneras (unhas, pelos, penas) é essencial ao bem-estar animal, disponibilizamos uma sala de Grooming, devidamente preparada, para os nossos profissionais poderem desenvolver o seu trabalho aplicando as técnicas mais adequadas a cada mascote.

A Amipet dispõe de profissionais que proporcionam os melhores cuidados de grooming (tosquias, banhos, escovagem corte de unhas,…) à sua mascote. Sempre que necessário é realizado o acompanhamento médico, nomeadamente quando é detetada alguma alteração durante os cuidados de grooming, ou sempre que seja necessária tranquilização para diminuição imediata do stress. A Amipet tem ainda na sua equipa técnicos de comportamento Animal que podem fazer uma dessensibilização e contra condicionamento, de modo a que a sua mascote se sinta mais descontraída e sem stress durante os procedimentos de grooming.

O grooming nos animais de companhia deve ser efetuado de forma regular e com produtos de qualidade, afim de garantir o bom estado da pelagem e pele, tendo sempre em atenção as recomendações do médico veterinário que tem em consideração as necessidades especiais de cada mascote.

O grooming regular, além do banho e/ ou escovagem, deve também incluir a drenagem das glândulas anais, a limpeza dos olhos, a limpeza do pavilhão auricular e o corte de unhas.

As glândulas anais produzem uma secreção cor de café com odor forte. Estas devem ser limpas depois de cada banho, prevenindo impactações e evitando complicações.

A limpeza ocular, principalmente em raças de pelo comprido ou com pregas de pele deve ser efetuada de modo a evitar acumulação de secreções. Devem ser utilizados produtos recomendados por profissionais ou, em alternativa, soro fisiológico. Quando há a presença de pelos que irritam o globo ocular estes devem ser removidos, aparados ou fixados com cautela.

Os ouvidos devem ser limpos com a frequência aconselhada pelo médico veterinário. Este tem em consideração a melhor técnica e produto a utilizar. O corte de unhas deve ser efetuado de acordo com o crescimento da unha de cada mascote, de modo a prevenir o crescimento exagerado.

Na Amipet encontra um ambiente que por certo irá agradar ao seu animal de companhia. Aqui pode satisfazer-lhe as suas necessidades de grooming através dos nossos serviços de banhos, escovagem, tosquias/ cortes de raça, corte de unhas, limpeza/ tratamento de ouvidos, e outros tratamentos de pele e pelagem de acordo com recomendações médicas.

CIRURGIA PREVENTIVA / ELETIVA

Na Amipet encontra um bloco operatório equipado com a mais recente tecnologia o que, associado ao uso da farmacologia mais recente, proporciona um ato anestésico-cirúrgico muito mais seguro. O recobro pós-operatório é feito em sala contígua à sala de cirurgia, onde mais uma vez são aplicados todos os cuidados inerentes a esta delicada fase pós-operatória e onde a máxima “Dor = 0” é aplicada até ao limite. Deste modo a Amipet propõe-se realizar as cirurgias de foro preventivo/ eletivo em regime de ambulatório, na perspetiva de proporcionar o mínimo desconforto possível ao paciente intervencionado e melhorando também a relação custo-eficiência de cada intervenção cirúrgica.

Aqui privilegiaremos cirurgias preventivas/ eletivas na área da reprodução (esterilizações, mastectomias,…), da ortopedia (rotura de ligamentos cruzados, luxação rotuliana,…), da oftalmologia (entropion, ectropion, luxação da glândula de Harder,…), e outros procedimentos como resolução de hérnias crónicas, biópsias, gastropexia para prevenção de torção gástrica…

[ultimate_modal icon_type=”none” modal_title=”Esterilização” modal_contain=”ult-html” modal_on=”text” onload_delay=”2″ btn_size=”sm” btn_bg_color=”#333333″ btn_txt_color=”#ffffff” modal_on_align=”left” btn_text=”Esterlização de Fêmeas” txt_color=”#32c1bb” modal_size=”small” modal_style=”overlay-fade” overlay_bg_color=”#333333″ overlay_bg_opacity=”75″ header_text_color=”#333333″ modal_border_width=”2″ modal_border_color=”#333333″ modal_border_radius=”0″ read_text=”> Esterilização”]A esterilização de fêmeas e machos é a cirurgia mais frequente na medicina veterinária. Quando o proprietário não tem interesse reprodutivo na sua mascote a esterilização deve fazer parte do plano de saúde. São várias as patologias que podem surgir em animais não esterilizados e que colocam a sua vida em risco. A esterilização de fêmeas antes do primeiro cio está indicada uma vez que reduz o risco de tumores mamários para 5%. Para além disso a esterilização impede o aparecimento de afeções uterinas e ováricas, e de reproduções indesejadas.

Nos machos a esterilização atempada limita a possibilidade de agressividade por dominância e lutas que podem causar lesões graves. Para além disso previne problemas prostáticos, evita fugas de casa por fêmeas em cio nas imediações, diminui os comportamentos de marcação de território, e diminui a transmissão de doenças sexualmente transmissíveis.[/ultimate_modal]

CONSULTA EXTERNA HVV

“A consulta externa abrange a observação clínica, o diagnóstico, a prescrição terapêutica, o aconselhamento ou a verificação da evolução do estado de saúde… que não exija internamento hospitalar…”

Na Amipet dispomos de um serviço de consulta externa, realizado em consultório distinto (consultório de consulta externa HVV) e onde ajudamos o tutor que recorra a nós por detetar sinais de doença no seu animal. Reencaminhamos posteriormente, quando necessário, para o Hospital Veterinário de Viseu.

Não precisa de se preocupar com a deslocação pois nós também lhe proporcionamos esse serviço.

A consulta externa HVV assegura assim uma efetiva separação entre a saúde e a doença e permite uma imediata resposta a toda a patologia que não necessite de internamento imediato.

PLANOS DE SAÚDE

A Amipet dá a maior importância à medicina preventiva e oferece-lhe Planos de Saúde adaptados à necessidade de cada um dos nossos companheiros. Estes podem incluir consulta, vacina/ check up de saúde, planificação de desparasitação, identificação com microchip, esterilização, e diversos exames complementares.  A escolha do plano é feita  de acordo com diversos critérios  como a idade, o estilo de vida, o estado de saúde atual, a espécie…

"NÓS TRATAMOS DOS PAPÉIS"

A Amipet disponibiliza-lhe um serviço que trata de toda a documentação que necessita, para que a possa obter da forma mais cómoda. Fazemos o tratamento de dados, registo de microchip no SIRA (Sistema de Identificação e Recuperação Animal) e ainda o licenciamento na sua Junta de Freguesia, para que não tenha que se preocupar nem com deslocações, nem com horários.  E se decidir viajar com a sua mascote, consulte-nos. Dispomos de uma equipa que o informará dos requisitos específicos que deverá cumprir.

SEGUROS DE SAÚDE ANIMAL

E porque o inesperado não marca hora, recomendamos desde cedo a aposta num adequado seguro de saúde para a sua mascote.

DOMICÍLIOS

A nossa equipa desloca-se até si. Sempre que desejar, dispomos de um serviço veterinário domiciliário. Levamos até ao seu companheiro os nossos cuidados. Através de um simples contacto telefónico ou por e-mail pode ter-nos em sua casa.

PETAXI

Vamos buscar o seu animal de companhia sempre que necessitar.

Dispomos também de um serviço de entrega de alimento. Para compras superiores a 50€, e num raio de 3Km da Amipet, este serviço é gratuito.